quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

promessa

E esse é o amor-dor prometido, que amando estava em mim, cativo?

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Sol, prata, pó... e eu

Pudesse eu, te fazer entender a dimensão da vida vivida em palavras perseguidas por pretensão...
Dos sonhos já esquecidos no cantinho dos anos que são muitos,
Aí vem você, com sua mania de hiperlatividade e sacode o pó de tudo, dá brilho na prata, tira o mofo
e abre as janelas...deixa o sol entrar
Tudo por capricho, um capricho caprichoso, doído, que deixa saudade...
Uma saudade com nome e endereço fixo, de mim, do meu sorriso ao espelho que me retornava o agrado
ao brilhar de volta num sorriso luminoso
No tom do batom carmim, imaginário, pois a pele já não era mais pálida
E a beleza vinha de dentro, nunca me senti tão bela!
Mas o pó voltou, a prata escureceu, as janelas bateram, a tempestade deu ares e as nuvens chegaram
e meu sol...SE FOI    

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

remendo meu

'As vezes questiono-me, por que continuar, se as cores foram embora...
é tão estranho, embaraço-me em linhas virtuais e não consigo arrancar nada,
nada que faça algum sentido para minha alma...
Hoje são apenas palavras, mas já foram mais que isso, foram chamados, súplicas,
confissões, alegorias, pleonasmos, e muitos sonhos...
Já não sei se faz mais sentido, não sei mas se quero, não sei se posso esse remendar
de sonhos em forma de palavras...

SEM SENTIDO

O beijo não tem mais sabor
O toque não faz mais sentido algum...
Sua lembrança assombra-me...
Faltou o sal, faltou o sol...
Prometo-me virar as costas e não olhar para trás
Prometo-me acostumar com dias cinzentos

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

seven days

Nos fragmentos cortados pela ultima sombra...
Ou terá sido uma nesga de sol, distorcida pelas
mechas do seu negro cabelo?
O que o espelho lhe diz?
O que seu travesseiro lhe confessa na madrugada?
Aquele cheiro que sentiu ao atravessar a rua..sim era meu.
Ao calçar seus sapatos, anda por onde pisamos?
E a roupa que despe, é a mesma com ela?

Para ela...

O tempo vai engolindo os segundos da sua respiração...
Quanto tempo ainda temos?
Agenda lotada, folhas rasgadas...
Em branco, ficou apenas os sonhos que deixou prá trás
Junto com seu ultimo beijo, que já nem lembra mais...
pOR vEZES a fEliCIdAde teiMa em dEixar-Me

domingo, 19 de dezembro de 2010

Por um momento, você...

Com você uma nova proposta de ver...
Contudo uma nova tendência ao recolhimento
Levou-me do céu ao total abismo
E esperei, esperei muito...
Sonhei, sonhos claros, ouvia sua voz e tocava seu sol
Sempre de branco, telefone, era assim que fitava nosso
encontro...
Sol, sábados...você
A presença do futuro, a contagem do tempo indefinido
em mim, total absurdo, por um breve momento beijei
a tela do meu celular, foi doce e com amor, deixei o amor
sem medo e os clichês invadirem meu jardim.
Verdadeiro ou não o que ouvi, senti ? Não nos faz mentirosos, não importa...
Percebi, que nada era real, novamente sonhando...
E acordei...sem você

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

...mas com muita classe!

Não restando mais NADA a dizer, um sonoro vá SE FODER CAI MUITO BEM...

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Arrumação de Fim de Ano

Hora de arrumar as coisas
Sentimentos, sensações que ficaram prá traz
Desocupar espaços cheios...
Organizar tudo para aqueles que ficam...
Limpar as emoções e desembaçar tristezas, deixar tudo claro e colorido
Oferecer aquilo que já não serve a alguns...
Alguém pode precisar daquele velho abraço, do sorriso sincero...
Assim vou me despedindo do que foi, guardando o que ficou
e me preparando para receber...o novo

terça-feira, 30 de novembro de 2010

[ ]

Consigo calcular totalmente área e volume do vazio...

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Prefiro Cristalizar

Mais  um dia terminando, brisa de fim de tarde...
Saudades de fim de tarde
Amantes despedem-se
Você acaba em mim...
Fragmentos
Traços do cheiro e rosto perderam-se
entre esperas e desencontros...
Mas e quanto àquele que nunca vi?
Todos tornam-se algo...
Uma virgula, um texto, uma frase...
Assim vou criando outro jeito de encontra-lo
Ou nunca esquece-lo
O traçado, a letra, a música que nos embalou...
Químeras que quase viraram amanhã...
Mas prefiri cristaliza-las
Assim serão eternas   

sábado, 27 de novembro de 2010

WHEN I FALL, YOU'RE NOT THERE...

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Versos Íntimos

"TALVEZ A VOCÊ NÃO FAÇA NENHUM SENTIDO, MAS A MIM, QUE VIVO CADA METRO CÚBICO DOS MEUS DELÍRIOS, VEJO BELEZA ATÉ NAS PEDRAS... DO MEU CAMINHO"



Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te a lama que te espera!
O Homem que, nesta terra miserável,
Mora entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera

Toma um fósforo, acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro.
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa ainda pena a tua chaga
Apedreja essa mão vil que te afaga.
Escarra nessa boca de que beija!

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

por onde andei ?


É como se nada tivesse acontecido
Como se eu não estivesse estado lá
Nem você em mim...
Sabe, os anos que nos separaram?
Caminhando pelas mesmas ruas e nunca
nos encontrando, então sonhei?
Nem eu em você...
Menos que uma brisa, menos que um sonho
é como um acordar, luxuriante, com a cabeça sonza de doses a mais
Por favor, onde estivemos? Ouça meu apelo e diga que foi real...
Acordei no meio da noite, e você nunca esteve alí
E as metades que separei para repartir com você?
o que faço com elas?
A sua voz eu ouvi, ou são ecos que do que passou?
Foi um delírio de máxima exposição ao sol, em dias de novembro?
Sumimos ou nunca existimos ?
Mas e agora?
E o amor que senti e não te contei?

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Afinal, quem tem coragem realmente prá viver um grande amor?

FATO

"Há duas palavras que não se podem usar: uma é sempre, outra é nunca."

terça-feira, 23 de novembro de 2010

FUJA, FUJA

Hoje vou embora mais cedo, me esperam em casa...
Chego, olho o vazio, cheio, mas vazio...
Escuto, mas não ouço
Procuro nas gavetas por entre milhares de coisas e nada acho..vazio
Bato em portas, estão mudas ninguém responde...
Olho o espelho, embaçado...
Passo meu perfume preferido, sem cheiro
Minha droga para dormir, já não tem a mesma cor
Água quente do banho não tem vapor...
Bati na porta errada?
Sempre batendo em portas erradas...porque me permito
por quem me permito
O quê vale a dor pela dor
Erro os caminhos, mas meu dragão me espera
Sabe que vou voltar
Sabe que vou abrir a porta correta

  

DE REPENTE, SOZINHA

Já me disseram:"Quem tem muitos, não tem nenhum..."

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

NUNCA SEM VOCÊ

Meu céu nublou, talvez não consiga mesmo viver sem você!
Passo momento em delírios, acredito na fantasia, meu corpo
exulta, toma cores e contornos nunca antes visto...
Isso dura mais do que deveria, mas o suficiente para destelhar
sonhos, derrubar alícerces, propagar o caos...
Fica tudo fora de ordem...
E eu lá...no cantinho tremendo, assustada com a bagunça que fiz
brincando de ser Éolo...
Aí vem você, arruma tudo, põe cada copo sujo de vertígem no
lugar, segura minha mão, e quando me levanta, já sou a mulher
que sou, de novo...   

sábado, 20 de novembro de 2010

1:100.000

A única certeza que conheço nesse momento, é que respiro.Estou viva, agora...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Esquecer leva algum tempo

Abandonou corpo e alma....
O que jurou-se amor, por hoje palavras vazias a ausência do seu verbo,
As marcas na pele, ainda estão lá...visíveis!
Mas meu coração, esse ainda busca...
Sei... aprendi, que nada pode me tocar tão fundo...
Minhas dores são intensas, sofrimento degustado até o ultimo gole...
Preciso de dias...só isso !
De dias...

domingo, 14 de novembro de 2010

medo e dor

Sou como bicho acuado, quanto mais dor, mais ferido,
Mais me afasto, quando mais preciso 

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

quem sabe , o amor...

As manhãs podem ser doces, posso olhar-te com carinho...
Revê-lo de tempos em tempos...
Com uma lacuna que fez toda a diferença, de onde estava você...
Onde estava eu...
Num total erro ortográfico e num total acerto de tempo verbal.

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Ei, eu te amo...

Como é gostoso um começo...
A primeira mordida do bolo, o primeiro gole de vinho...
Sentir o gosto do primeiro beijo, o que sempre é uma surpresa...
Gosto de bala, chiclet, cigarro misturado com cerveja ou gosto de desejo...
O primeiro toque, as descobertas dos defeitos desconhecidos...achamos graça!
E´tão bom descobrir e ser descoberto, melhor ainda descobrirmos juntos, olharmos
para a mesma direção, mas de um jeito diferente...Àquele jeito, quando olhamos uma
obra-prima, e cada qual vislumbra um detalhe, completando-se...
Tudo isso para mim é começo, cheiro de tinta fresca, novos horizontes, de promessas, às vezes não cumpridas...mas de sonhar!
E dizer baixinho no ouvido do outro pela manhã :
-Ei, eu te amo...

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Eu não posso te chorar, afinal não sei amar...

AMOR ADOLESCENTE

Um veneno instalou-se em suas entranhas,
Mas o sabor era doce...
A principio recusou, ponderou...
Mas o Mal nem sempre mostra sua verdadeira face, faz apaixonar-se
Sedutor
Tal qual uma adolescente com seu primeiro amor, rende-se
Experimentou todo colorido que a aquarela poderia lhe oferecer, sorveu cada olhar que lhe foi oferecido, esteve ali, de corpo e alma verdadeiramente feliz...
Agora sofre, chora, rasga-lhe a carne, lava o suor de uma noite de amor
Joga fora todas as lembranças junto com as lingeries usadas nos momentos íntimos
A dor ainda marca seu rosto, com veios de sal que são fiéis testemunhas das lágrimas que por ali
passaram...
Talvez não esteja preparada para essa pseudo-felicidade que lhe foi oferecida, não nasceu para
isso...
Regozija-se com os momentos, compadece como adeus, confraterniza com a saudade, e anda de mãos dadas com a melancolia...sente-se em casa assim...
Mais uma vez sente e sabe que não pode ser metade, querer metade, pois mesmo sendo duas, são duas inteiras, buscando e exigindo caminhos e pessoas inteiras.

domingo, 24 de outubro de 2010

Um fim temporário ou perpétuo

" O nome limpo vale mais do que o perfume mais caro; e o dia da morte é melhor que o dia do nascimento.
(...)O fim de uma coisa vale mais do que o seu começo(...)"

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Um eterno pacto de almas em desencontro

"Proximidade, a cumplicidade não tem rosto definido, nem cheiro...por vezes um eterno encontro, é às cegas, distânte, sem toque, nem palavras com sabor de hálito, ou dois copos sobre a mesa, nem por isso é menos doce e profundo...
Deixei as explicações, as respostas... meu mundo faz-se das perguntas que não cala meu coração"  


surgiste repente como um breve estalo
trazias no bolso a mesma dor que eu sentia por uma pessoa querida
e me reconheci ali onde cultivavas sua mais perfeita ferida

neste espelhar de angústias fez-se um tímido apego
vontade crescente de ser-te alívio em choroso riso
e me ver livre desta tola insignificância de nunca ter ido ao paraíso

conversar contigo é brisa que me alivias de mim
derramo em ti a emoção que não eu soube como transbordar
e assim tornou-se abrigo onde exilo meu cotidiano pesar

tento conter os excessos e não atrair um tal anunciado adeus
nem sempre consigo domar o que não quero sentir
instinto voraz de quem a própria essência tenta reprimir

a delicadeza com que me percebes e me acatas é tocante
sinto seu mais leve cuidado em não machucar meu encanto
dom de quem sabes como curar o mais impiedoso pranto

não sabes que ao mostrar-se frágil tens à face da alma a alumiar-se
receias que eu a veja com olhos dos seus tolos julgamentos
oculto temor do abandono, gosto amargo de outros tempos

me entristeço ao ver que como ages torna-se incompreendida
de um mundo que não sabe ver a súplica oculta num gesto de dor
de uma mulher que busca desesperadamente o encontro com o amor...

sábado, 16 de outubro de 2010

Quando me apaixono...

"Repentinamente, sentimos como se ficasse visível a todos a emoção, a promessa que um pensamento nos trouxe.A batida rápida do coração, o pulso acelerado e o frio no estômago, o conforto sensual da lembrança contida no milésimo de segundo entre o pensamento e a emoção. A viagem imaginária, mas não menos vívida, a lugares que só acontece quando nos apaixonamos. Nos é permitido sentir esta emoção sem culpas, sem embaraço sem explicações. Esta emoção única, descrita pelos mais diversos poetas e escritores, não encontra unanimidade para seu significado. Um olhar, uma foto, um perfume ou um gesto torna mais que suficiente, abastece os terminais nervosos que controlam a paixão, não a paixão atormentada, sofrida, mas a paixão paixonite, luxuriosa, sensual, rápida, delíciosa, intrigante, cheia de promessas que não serão cumpridas pois o objeto do seu desejo não sabe que por um breve momento você se apaixonou..."

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Tenho dias que sinto-me um veneno

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Ao longe, intocável

"Tenho longas asas, robustas, aparentemente fortes...
Alço longos voos, alcanço alturas incalculáveis
Voo alto, sinto longe...
Permito apaixonar-me pelo caminho
Vejo todos à distância , pequenos , frágeis...
Vê-los, acalenta cada momento, entrego-me...eu posso
Estou de passagem, não quero ser vista nem percebida."

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

fato

Hoje fez-se noite em meu coração, o amor calou-me

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

aos seres inferiores, a verdade

Óbvia inabilidade de lidar com um ser tão complexo e superior,
que à mim parece compreensível, àquilo que de longe os supera.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Escrever-te em mim



"Escreve-se para preencher vazios, para fazer separações contra a realidade, contra as circunstâncias"  Mario Vargas Llosa


Não somente escrever com as entranhas, é servir o coração em pompas e circunstâncias...
Não à quem, mas ao quando...
Escolher palavras, nem sempre as mais belas...mas as que vem com a cor da minha alma...
E do que falamos?
De você, de mim...
Do meu avesso remendado...
Dos sonhos afogados no teu peito...
Fatias do que amanheceu em você e morreu em mim...
Celebro todos os dias você em mim...
Escrevendo.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

ÂNSIA

"341, dias sem você...
Foi tudo pequeno, como brisa?
Assim como disse-me?
Um arrepio na pele, uma sensação?
Dizem que as perguntas movem o mundo..."
Mas tudo o que ela pensa e registra é uma ode ao amor...
Com esses pensamentos, incrustados, como uma música que volta sempre
a cantarolar, mesmo que não queira, ela sente, dorme, acorda ...refaz as contas para ter certeza
da distância dos dias, horas e minutos...mas cada respiração,olhar... ditos e proferidos a assombram
dias desses...dias desses de sol, de chuva, de amor e esquecimento.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

quando não há mais sensações...

Não consigo mais falar dos amores, das dores...
Da dor, talvez porque não queira,
Do amor, porque não há mais nada a ser dito.

quando o dia não acaba...

"(...)Acordou de um pesadelo, desses dias nocivos de consulta agendada...
Perambulou totalmente desnorteada pelos cantos onde andou, murmurava palavras
desconexas, ela não estava ali.
O dia se arrastou, até que entrou naquela sala pequena e seu algoz-salvador perguntou-lhe:
-Suzana!Estive a olhar todo esse tempo o obituário para saber de você!
Sumiu! (...)''

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Despertando


"-Viva, viva, viva..cada segundo!
Foi um sussurro, quase inaudível,de uma figura desconhecida...
Assim ela acordou, num sobressalto, sem entender ao certo se foi
um conselho ou um aviso..."

terça-feira, 28 de setembro de 2010

À Preencher

Encontro-me totalmente perdida em mim, há tanto espaço, e o que me prende ?
Uma linha fatal, débil em sua natureza imperfeita...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Redundâncias

“Se me obrigassem a dizer porque o amava, sinto que a minha única resposta seria:
Porque era ele, Porque era eu.”



quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Todos Temos Duas Almas


"Costumo dizer que há duas em mim...Ter como certo a ambiguidade dos sentimentos envoltos em um só ser, estar-se certo da existência num mundo  prolixo, torna as decisões mais claras e acertivas na morada das minhas almas..."  

Cada criatura humana traz duas almas consigo: uma que olha de dentro para fora, outra que olha de fora para dentro... Espantem-se à vontade, podem ficar de boca aberta, dar de ombros, tudo; não admito réplica. Se me replicarem, acabo o charuto e vou dormir. A alma exterior pode ser um espírito, um fluido, um homem, muitos homens, um objeto, uma operação. Há casos, por exemplo, em que um simples botão de camisa é a alma exterior de uma pessoa; - e assim também a polca, o voltarete, um livro, uma máquina, um par de botas, uma cavatina, um tambor, etc. Está claro que o ofício dessa segunda alma é transmitir a vida, como a primeira; as duas completam o homem, que é, metafisicamente falando, uma laranja. Quem perde uma das metades, perde naturalmente metade da existência; e casos há, não raros, em que a perda da alma exterior implica a da existência inteira. (...) Agora, é preciso saber que a alma exterior não é sempre a mesma...

sábado, 18 de setembro de 2010

Feliz e incompleta, sempre há espaço para ser mais que sou

Por que devo me preocupar?
Não obstante dos dias e noites in-perfeitos...
Meu sol, nasce a cada segundo que preciso dele

Drive

"...encontra quase um sinal...porque para todas as perguntas já tem uma única resposta..."

Who's gonna tell you when It's too late?
Who's gonna tell you things Aren't so great?
You can't go on Thinking nothing's wrong
Who's gonna drive you home tonight ?
Who's gonna pick you up When you fall ?
Who's gonna hang it up When you call?
Who's gonna pay attention To your dreams?
Who's gonna plug their ears When you scream?
You can't go on Thinking nothing's wrong
Who's gonna drive you home tonight?
Who's gonna hold you down When you shake
Who's gonna come around When you break ?
You can't go on Thinking nothing's wrong
Who's gonna drive you home tonight?

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Feliz aniversário

             Olhando o calendário passado...lembra-se,
             Anotado em círculos vermelhos
             Os encontros e pensamentos...                   
             Vai em busca dos escritos...
             Rabiscos          
             Todos para ele,
             Para ninguém...
             Mas foda-se, com ele aprendeu...
             Enxergou e viu-se,
             Sentiu e gozou,
             Viveu e morreu em seus braços...





segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Retórica Homeopática

                                                             Cada gota sua em mim , um oceano...

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Warning

"... e o que me faz feliz hoje, te fará chorar amanhã, prenuncio do jogo à quem tirar a carta azul tempestade, porque daqui decido, olhando para esse mar calmo e frio, que combina minha aspereza e petulância, deixa vir à tona, desmascara a verdade que anuncio sem pudor, em altos brados que sou incapaz, incapaz de amar"

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Por onde anda a inquietude da alma

"...pensamento conciso, em reconhecimento próprio, palavras enxutas, maestradas pela sensibilidade..."  

O meu mundo não é como o dos outros, quero demais, exijo demais; há em mim uma sede de infinito, uma angústia constante que eu nem mesma compreendo, pois estou longe de ser uma pessoa; sou antes uma exaltada, com uma alma intensa, violenta, atormentada, uma alma que não se sente bem onde está, que tem saudade… sei lá de quê!

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Recado

              Leve-me, leve...enquanto espero

terça-feira, 24 de agosto de 2010

como em casa...

Aqui me fiz inteira, não há separações em silabas, perfeito ! Não sei ser metade nem em palavras, então comecei , espanei o pó... Montei frases arrastando móveis e escondendo entulhos debaixo do tapete...
Preparei com o mais perfeito aniz estrelado, o chá da madrugada, para meus melhores sonhos que estão para chegar.Para minhas mentiras, ou meias verdades, cuidado especial... junto com as rendas e sedas em duas peças, em pequenas caixas, embaladas em celofane azul, para não amarelarem... não às usarei por um tempo...
Pronta para partir, ou quase isso... arrumo tudo para dar um certo ar de distinção à cena...
Custa-me libertar, custa-me sair a mancha, custa-me desacostumar, custa-me deixar.

desapego dela

                           Mas sinto que quando dela me fazia, nela encarnava, nela eu vivia...
momento meu sem tempo definido, espaço meu ,sem paredes ou conceitos onde digo o que quero mesmo a quem não quer ouvir pois essa sou eu mesma a quem às vezes não quero ouvir

APRECIADORES

TUDO GUARDADO...

TENTANDO DESCOBRIR...

Minha foto
NA DUALIDADE DE MINHA ALMA ANDO CONFUSA...