domingo, 30 de maio de 2010

Preciso disso...
Escrever e compartilhar minhas tolices, é como evitar que enlouqueça, entretanto ultimamente nada me vem a cabeça...Mas ainda, como um ato desesperado, tento
Sinto que tenho tanto, sinto tanto  e tantas coisas diferentes mas as palavras não saem, ando em total vazio...
Meus dias são tão cheios e mesmo assim nunca me senti tão vazia.

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Mas se não fosse louca?
Estaria ainda perdida em palavras e esperas constantes da sua maldita ausência...
Ausência essa calculada, programada, para arrefecer...
Sabe, faz até sentido...
Mas esquece que sou louca?
Então, a cada desmedida árdua tarefa em me afastar, não faz o mesmo efeito
por ti esperado...sou o avesso da coerência.
Portanto se queres-me longe, gruda em mim...
Canse-me com hiperboles, parafraseando todos seus pensadores prediletos aos montes...
Sou louca, bem sabe...
Hoje, somente hoje sinto-te tão longe, de mim...

sábado, 22 de maio de 2010

LUXÚRIA NO PRETÉRITO IMPERFEITO

NÃO DESEJAVA SER A MULHER AO SEU LADO
MAS SIM A MULHER SOB VOCÊ
ONDE FIXAVA SEU OLHAR NO MEU
NÃO ME INTERESSAVA SE VINHA DE CARRO OU NÃO
ONDE E COMO VIVIA
MUITO MENOS QUANTO GANHAVA...
NEM O QUE VESTIA,
PRÁ MIM, O QUERIA COMIGO, NU
ENTRELAÇADO AO MEU CORPO
ENVOLTO EM LENÇÓIS...
NÃO QUERIA O PARCEIRO, SÓCIO, AMADO...
MAS SIM O AMANTE, CÚMPLICE, OUSADO
VOCE ERA O OUTRO LADO DA VIDA
ONDE NÃO PARAVA PRÁ PENSAR
SIMPLESMENTE SENTIA

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Dor de alma e corpo

Algo me comove, mas não são suas mãos
meu corpo anda vazio sem teus toques
Nessa minha existência dissoluta,
meu corpo em chamas, meus seios doem,
órfão dos sentidos, adoece lentamente
e literalmente...
Venha, faça-me viva, fecundo toque
Devolva minha alma, a ti não faz diferença...

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Espasmos multiplos

Há um grito engolido dentro de mim, mas não saí, sua falta não saí...

terça-feira, 18 de maio de 2010

Pedaços de Osíris


Olhando o céu, as asas abrem-se, tal qual uma tentação, instinto...
Igual a boca saliva doce profundo doce
alma engaiolada, enquanto lágrimas lavam os cabelos pele sonhos
adagas partem, fracionam os comodos da casa...
minha alma vive nas profundezas do Nilo junto a Osíris

domingo, 16 de maio de 2010

música

Ela entra...
vibra meu corpo, muda meu humor
faz-me relembrar, voltar sonhar...

terça-feira, 11 de maio de 2010

aos que são meus

Descobri hoje que às vezes precisamos sair , mudar, para ver que não há nada de errado com o que já existia..
Descobri que o velho me é atraente, mesmo incansavelmente perseguido o novo
Redescobri que adoro  cheiro da minha casa, que gosto dos brinquedos espalhados pelo chão ...
Que há tanto a reviver, alimentar, conservar...nada de novo, o que sempre esteve aqui, custei a perceber
Talvez não tenha perdido tanto tempo, talvez o relógio tenha atrasado sutilmente para que me desse conta, sozinha...
Hoje o que quero e desejo, já possuo , sem mistério nem jogo...
Que bom estar de volta!

segunda-feira, 10 de maio de 2010

VAIDADE

Outro dia fui questionada quanto a idade, falamos sobre o efeito da gravidade e outros contras...
Mas como moro no mundo da lua, não sou tão afetada assim...

domingo, 9 de maio de 2010

1, 2, 3, 4 I LOVE YOU

Give me more love than I've ever had,
Make it all better when I'm feeling sad,
Tell me that I'm special even when I know I'm not.
Make it feel good when I hurt so bad,
Barely gettin' mad,
I'm so glad I found you.
I love being around you.
You make it easy,
As easy as 1, 2, 1, 2, 3, 4.
There's only one thing,
To do, three words,
For you.
I love you (I love you)
There's only one way,
To say those three words
That's what I'll do.
I love you (I love you)
Give me more love from the very start,
Piece me back together when I fall apart,
Tell me things you never even tell your closest friends.
Make it feel good when I hurt so bad,
Best that I've had,
I'm so glad I found you.
I love being around you.
You make it easy,
As easy as 1, 2, 1, 2, 3, 4.
There's only one thing,
To do, three words,
For you.
I love you (I love you)
There's only one way,
To say those three words
That's what I'll do.
I love you (I love you)
I love you (I love you)
You make it easy,
As easy as 1, 2, 1, 2, 3, 4.
There's only one thing,
To do, three words,
For you.
I love you (I love you)
There's only one way,
To say those three words
That's what I'll do.
I love you (I love you)
I love you (I love you)
One, two, three, four.
I love you (I love you)
I love you (I love you)
 
 
Plain White T's

terça-feira, 4 de maio de 2010

de vez...

NUNCA SOUBE, MAS AGORA ACHO QUE PERDI A MÃO ...

segunda-feira, 3 de maio de 2010

assim ela gostaria que fosse

Lembra-se dela...
Angustia crispada
Olha a construção imponente, azul, no meio da cidade...
Arremetido ao céu,
Ultimo toque, encontro, um ultimo alguém que lhe sorria
A monotonia, cotidiano, folhear compulsivo do calendário
marcas, datas, viagens programadas
Todo o vazio da ausência ..o tempo passa
mesmice...
Lembra-se dela...
Desorganizada, imprudente, apaixonada
Sacode despretenciosamente alicerces...
Mas ela não passa de um cheiro, uma lembrança vazia,
virtual, quase inexistente.
Lembrança atemporal como...
Alguém morde os lábios inferiores, como ela
A cor dos cabelos, uma placa de carro...
Lembra-se dela
Nada que nele tenha marcado a alma
Apenas o objeto direto dos sentidos
Mas sente falta dela, nele..
Falta da sensação que teve, provocada por ela...
Nunca houve espaço para senti-la
Não envolver-se virou sua meta, engessou os sentidos
compilou pensamentos, adestrados à razão
Lembra-se dela
Mas a olha como uma peça vitral
seu olhar a atravessa, não a conhece
seria impossível não fazer suposições,
mas desconhece que são baseadas em uma personagem...
Criada, para sempre lembrar-se dela

é meu este poema ou é de outra?

É meu este poema ou é de outra?
Sou eu esta mulher que anda comigo
E renova a minha fala e ao meu ouvido
Se não fala de amor, logo se cala?

Sou eu que a mim mesma me persigo
Ou é a mulher e a rosa escondidas
(Para que seja eterno o meu castigo)
Lançam vozes na noite tão ouvidas?

Não sei. De quase tudo não sei nada.
O anjo que impulsiona o meu poema
Não sabe da minha vida descuidada.

A mulher não sou eu. E perturbada
A rosa em seu destino, eu a persigo
Em direção aos reinos que inventei
 
H.Hilst
momento meu sem tempo definido, espaço meu ,sem paredes ou conceitos onde digo o que quero mesmo a quem não quer ouvir pois essa sou eu mesma a quem às vezes não quero ouvir

APRECIADORES

TENTANDO DESCOBRIR...

Minha foto
NA DUALIDADE DE MINHA ALMA ANDO CONFUSA...