quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

promessa

E esse é o amor-dor prometido, que amando estava em mim, cativo?

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Sol, prata, pó... e eu

Pudesse eu, te fazer entender a dimensão da vida vivida em palavras perseguidas por pretensão...
Dos sonhos já esquecidos no cantinho dos anos que são muitos,
Aí vem você, com sua mania de hiperlatividade e sacode o pó de tudo, dá brilho na prata, tira o mofo
e abre as janelas...deixa o sol entrar
Tudo por capricho, um capricho caprichoso, doído, que deixa saudade...
Uma saudade com nome e endereço fixo, de mim, do meu sorriso ao espelho que me retornava o agrado
ao brilhar de volta num sorriso luminoso
No tom do batom carmim, imaginário, pois a pele já não era mais pálida
E a beleza vinha de dentro, nunca me senti tão bela!
Mas o pó voltou, a prata escureceu, as janelas bateram, a tempestade deu ares e as nuvens chegaram
e meu sol...SE FOI    

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

remendo meu

'As vezes questiono-me, por que continuar, se as cores foram embora...
é tão estranho, embaraço-me em linhas virtuais e não consigo arrancar nada,
nada que faça algum sentido para minha alma...
Hoje são apenas palavras, mas já foram mais que isso, foram chamados, súplicas,
confissões, alegorias, pleonasmos, e muitos sonhos...
Já não sei se faz mais sentido, não sei mas se quero, não sei se posso esse remendar
de sonhos em forma de palavras...

SEM SENTIDO

O beijo não tem mais sabor
O toque não faz mais sentido algum...
Sua lembrança assombra-me...
Faltou o sal, faltou o sol...
Prometo-me virar as costas e não olhar para trás
Prometo-me acostumar com dias cinzentos

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

seven days

Nos fragmentos cortados pela ultima sombra...
Ou terá sido uma nesga de sol, distorcida pelas
mechas do seu negro cabelo?
O que o espelho lhe diz?
O que seu travesseiro lhe confessa na madrugada?
Aquele cheiro que sentiu ao atravessar a rua..sim era meu.
Ao calçar seus sapatos, anda por onde pisamos?
E a roupa que despe, é a mesma com ela?

Para ela...

O tempo vai engolindo os segundos da sua respiração...
Quanto tempo ainda temos?
Agenda lotada, folhas rasgadas...
Em branco, ficou apenas os sonhos que deixou prá trás
Junto com seu ultimo beijo, que já nem lembra mais...
pOR vEZES a fEliCIdAde teiMa em dEixar-Me

domingo, 19 de dezembro de 2010

Por um momento, você...

Com você uma nova proposta de ver...
Contudo uma nova tendência ao recolhimento
Levou-me do céu ao total abismo
E esperei, esperei muito...
Sonhei, sonhos claros, ouvia sua voz e tocava seu sol
Sempre de branco, telefone, era assim que fitava nosso
encontro...
Sol, sábados...você
A presença do futuro, a contagem do tempo indefinido
em mim, total absurdo, por um breve momento beijei
a tela do meu celular, foi doce e com amor, deixei o amor
sem medo e os clichês invadirem meu jardim.
Verdadeiro ou não o que ouvi, senti ? Não nos faz mentirosos, não importa...
Percebi, que nada era real, novamente sonhando...
E acordei...sem você

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

...mas com muita classe!

Não restando mais NADA a dizer, um sonoro vá SE FODER CAI MUITO BEM...

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Arrumação de Fim de Ano

Hora de arrumar as coisas
Sentimentos, sensações que ficaram prá traz
Desocupar espaços cheios...
Organizar tudo para aqueles que ficam...
Limpar as emoções e desembaçar tristezas, deixar tudo claro e colorido
Oferecer aquilo que já não serve a alguns...
Alguém pode precisar daquele velho abraço, do sorriso sincero...
Assim vou me despedindo do que foi, guardando o que ficou
e me preparando para receber...o novo
momento meu sem tempo definido, espaço meu ,sem paredes ou conceitos onde digo o que quero mesmo a quem não quer ouvir pois essa sou eu mesma a quem às vezes não quero ouvir

APRECIADORES

TENTANDO DESCOBRIR...

Minha foto
NA DUALIDADE DE MINHA ALMA ANDO CONFUSA...